Sempre ao seu lado.

Reajuste Plano Empresarial

Plano de Saúde Individual tem o seu reajuste fiscalizado e limitado pela ANS. Por mais que uma seguradora de Planos de saúde queira aumentar a mensalidade em 100% há uma agência nacional que é responsável por impedir justamente esse tipo de ação! 

Isso dá uma segurança para o beneficiário, que confia que não será prejudicado pelo Plano de Saúde se há um órgão regulador que avalia as suas decisões de maneira criteriosa!  É claro que essa segurança tem um preço. Em geral, os Planos de Saúde Individuais tem custo maior no começo, porém isso pode compensar ao longo dos anos com menores reajustes.
No reajuste do Plano de Saúde Empresarial isso não acontece, mas talvez justamente por isso seja até melhor do que o que acontece com um Plano de Saúde Individual.
No caso do Plano de Saúde Empresarial que tenha mais de 30 funcionários segurados cabe a organização empresarial negociar com o convênio médico o valor desse reajuste, a Agência Nacional de Saúde Suplementar não se envolve porque sabe que a decisão cabe por lei ao cliente e a seguradora de planos de saúde, que entram em um acordo e firmam contrato!
No Plano de Saúde Individual a seguradora recebe apenas a sua mensalidade, o que torna importante para ela que haja um reajuste alto, para cobrir os custos e encargos que ela acaba tendo com você a cada virada de ano.
O mesmo não ocorre no Plano de Saúde Empresarial, porque é mais de um consumidor para o convênio médico. Na verdade, são vários consumidores, várias mensalidades em um só convênio médico. Aqui, a seguradora fará uma avaliação do coletivo, ou seja, de todos os funcionários que compartilham aquele Plano de Saúde Coletivo.
Na prática isso significa que uma seguradora pode abrir mão de um reajuste alto num Plano de Saúde empresarial porque recebe mais dinheiro desse conveniado, então é interessante para ela abrir mão de cobranças grandes, se puder garantir que esses conveniados seguirão em seu plano de saúde por muito mais tempo!
É por isso que muitas vezes sai mais em conta fazer parte de um Plano de Saúde Empresarial do que de um Plano de Saúde Individual!
Uma prática comum para reduzir custos é migrar de uma operadora para outra, quando os reajustes vêm muito altos. Dessa maneira é possível manter a qualidade da rede de atendimento, mas com custo reduzido.

Para saber quais as melhores opções para sua família ou empresa, fale com a BILLY SEGUROS e peça uma assessoria para a sua situação.
Saiba mais »

Seu plano de saúde está muito caro – o que fazer?

O convênio médico é a melhor opção para garantir um atendimento de saúde de qualidade sem precisar pagar de forma particular por cada consulta, exame ou procedimento.

Apesar de ser um ótimo auxílio, a impressão que muitas pessoas têm é a de que o seguro saúde não para de encarecer, tornando cada vez mais difícil a manutenção do benefício.

E resta a dúvida de muitos: “meu plano de saúde está muito caro – o que fazer?”.
A seguir, veja o que a BILLY SEGUROS pode fazer para baratear o seu plano ou quais as alternativas mais em conta.

Mudança da cobertura hospitalar

As diferentes coberturas hospitalares oferecidas pelo convênio impactam o preço do plano. Restringindo um pouco a Rede Credenciada a ser utilizada.
A BILLY SEGUROS analisa a situação e consegue  melhorar as condições do plano.

Troca de operadora

Se sua operadora anda aplicando preços que não cabem mais no seu bolso, a BILLY SEGUROS buscam outras opções para você pagar menos.

Plano PME

Tem uma pequena empresa ou um CNPJ? Uma alternativa é mudar do plano individual ou familiar para a categoria PME. A BILLY SEGUROS pesquisa para você a melhor alternativa de mudança.

Contratação por adesão

Quem faz parte de alguma entidade de classe (sindicato) pode contratar um convênio médico por adesão e baratear a proteção. A BILLY SEGUROS ajuda você a imigrar para esta alternativa.

Além das possibilidades anteriores, a BILLY SEGUROS pode fazer um comparativo em mais de 30 operadoras de planos e seguros saúde para descobrir qual melhor atende às suas necessidades e apresenta um bom custo-benefício.

Preencha o formulário e envie para a BILLY SEGUROS 

 
Saiba mais »

Dicas para fazer Seguro Viagem.

















É provável que você já saiba que o seguro viagem é um serviço indispensável, especialmente em viagens internacionais.

Afinal ninguém quer passar por algum acidente ou imprevisto em um país estrangeiro sem contar com uma assistência financeira, não é mesmo? 

Escolha as coberturas que você vai precisar: 

Assistência Médica

Entre as coberturas mais importantes estão a assistência médica e funeral, pois a maior parte dos países não oferece atendimento médico gratuito a estrangeiros e além disso, cobram valores muito altos, podendo chegar a um prejuízo de milhares de dólares. 

Destino 

Pense no destino da viagem, pois em alguns lugares o atendimento é mais caro que outros. Dessa forma, dependendo do caso você terá que pagar um seguro com cobertura menor ou maior. Uma dica legal é visitar o site MyTravelCost.com, pois ele mostra os gastos médios com saúde em diferentes países, permitindo que você compare os custos de dois lugares. 

Saiba também que em alguns países o seguro viagem com assistência médica é obrigatório, entre eles estão as nações pertencentes ao Tratado de Schengen (estes exigem a contratação de um seguro saúde no valor de pelo menos 30 mil euros). 

Critérios 

Quanto à escolha das outras coberturas vai depender de seus critérios. 

Leve em conta o motivo de sua viagem, se é a negócios, lazer ou para praticar um esporte radical, a sua idade e seu estado de saúde. 

Há coberturas voltadas à pratica de esportes radicais e a casos especiais como gestantes e idosos. 

Também há coberturas que cobrem doenças pré-existentes (como diabetes, pressão alta, câncer, problemas do coração, etc), já que a cobertura comum para assistência médica não cobre o atendimento médico nesses casos. 

Outras Coberturas 

Ainda existem coberturas mais simples, mas que podem ser bem úteis como cancelamento de ou atraso de voos, perda de documentos, assistência odontológica e cartão de crédito, auxílio judicial, etc. É importante que você analise todas as coberturas e opte pelas quais poderá precisar. 

Outras Dicas 

Leia atentamente as Condições Gerais de seu contrato 

Nas Condições Gerais você encontrará todas as informações sobre as coberturas que está contratando assim como as obrigações e direitos do segurado. Por isso é essencial que você leia no momento da compra para ficar a par de todos os detalhes e estar preparado caso precise de algum serviço durante a viagem. 

Sempre mantenha o Voucher à mão durante a viagem 

O Voucher nada mais é do que a apólice do seguro. Esse documento comprova a aquisição do serviço e nele consta a relação de coberturas, seus dados, o telefone da central de assistência e seu número de identificação junto à seguradora. Por isso é sempre bom mantê-lo à mão durante a viagem para o caso de algum acidente ou imprevisto. 

Também é importante deixar o telefone da central de assistência assim como seus dados e número de identificação com um parente ou amigo no Brasil. Dessa forma caso você não consiga se comunicar com a seguradora, a pessoa que você deixou encarregada poderá entrar em contato com ela do Brasil e explicar sua situação. 

Sempre entre em contato com a seguradora antes de utilizar algum serviço 

A maior parte das seguradoras tem como norma que os clientes entrem em contato antes de utilizar um serviço de cobertura. 

Se uma pessoa, por exemplo, quebrar a perna, deve entrar em contato com a empresa para que ela indique o hospital e o atendimento que deverá ir. Pois é a seguradora que se encarrega da parte burocrática, de modo que quando o cliente chegar ao estabelecimento poderá ser prontamente atendido. 

Seguro Viagem Nacional 

Se você vai fazer uma viagem nacional a pelo menos 100 km de distância de sua residência, seja de ônibus, carro ou avião pode ser vantajoso contratar um seguro viagem. 

Pois apesar de não ser válida a assistência médica (sendo indicado nesses casos um convênio médico), você ainda pode contar com as coberturas contra acidentes, cancelamento de viagem, perda de documentos, extravio de bagagem, etc.

Saiba mais »

Carro usado: Saíba os problemas mais comuns.

Comprar um carro por um preço bem acessível parece um excelente negócio, afinal, se pode economizar um bom dinheiro.

A questão é que quando o carro está com um custo bastante baixo, pode indicar que existe algum problema. Por isso, sempre consulte a tabela Fipe para ter uma noção de valores. Esse “pequeno detalhe” pode colocar a sua vida em risco ou trazer muitas dores de cabeça.

Então, antes de achar que está fazendo um bom negócio, atente-se a todos os detalhes.

Ferrugem

Em cidades litorâneas esse problema costuma aparecer com mais frequência. O que pode parecer apenas um pequeno ponto de ferrugem pode estar mais avançado do que se imagina.

As rodas, tanque de combustível, trilhos e outras áreas podem estar totalmente tomadas pela ferrugem. Se for esse o caso, não compensa nem reparar o carro, é melhor comprar outro.

Quando for comprar um carro e perceber que existe um ponto de ferrugem, fuja dele, em pouco tempo ele deverá estar todo tomado.

Fluidos sem troca

É preciso trocar o óleo do carro e outros fluidos com regularidade, caso contrário, em pouco tempo as peças começam a ressecar e ficar cada vez mais difícil dirigir.
Além disso, não é qualquer fluido que pode ser usado no carro, ele precisa ser o correto. Se perceber que o óleo está muito viscoso, com aparência de que não é trocado há muito tempo, atenção!

Em pouco tempo os problemas começarão a aparecer.

Quadro torto

Se o carro passou por uma colisão suficientemente forte, é bem provável que o quadro fique torto.

Por mais que se faça o reparo, ele não voltará a ser como era, ficando danificado e causando problemas em todo o veículo.

Carros que passaram por colisões fortes não devem fazer parte da sua opção de compra, mesmo após terem sido totalmente reparados. Eles nunca mais serão os mesmos.

Problemas elétricos

Muita gente não sabe, mas por dentro do carro passa uma infinidade de fios e fazer a substituição de apenas um deles pode ser muito mais complicado do que se imagina.

Não importa se é porque o fio está velho ou um roedor resolveu atacar, a dor de cabeça sempre será grande.

Assim, se houver qualquer problema elétrico é bom pensar em outro carro, pois a substituição da fiação pode custar caro e ser bem demorada.

Cabeça do motor

O motor precisa estar intacto e se a cabeça apresentar problemas, é hora de jogar o carro fora. Óleo e água nunca devem se misturar no carro. Se isso acontecer, prepare-se para enfrentar uma nuvem de fumaça e perder o carro para sempre.

Bateria híbrida antiga

Hoje ter um carro híbrido parece ser um bom negócio, pois eles são menos poluentes e mais modernos mas nem sempre foi assim.

As baterias híbridas antigas são mais trabalhosas para trocar e rara de achar. Sem falar que isso se torna uma verdadeira dor de cabeça, consumindo tempo e dinheiro.

Falha de PCM

O módulo de controle de um carro é como se fosse um computador de bordo, que é responsável por basicamente todo o funcionamento eletrônico do veículo.
Se ele tiver qualquer problema, pode prejudicar o sistema de transmissão e afetar vários itens do carro.

Para substituir, muitas vezes é preciso trocar a bateria, já que ela não se desconecta, o que faz com que o valor fique bem caro.

Um animal morto

Se o carro está com cheiro ruim, pode ser que haja um animal morto dentro dele. Se já olhou em tudo e não achou é hora de começar a procurar embaixo dos tapetes. Só que isso fará com que eles sejam cortados e para arrumar, o preço não é nada baixo.
Saiba mais »

Brasileiro busca mais seguro de vida, diz pesquisa.


O estudo anual do Serviço de Estudos da Mapfre sobre o mercado de seguros na América Latina, publicado pela Fundación Mapfre, revelou que o Brasil tem sido importante motor do crescimento do setor na região, principalmente no segmento “Vida” – que teve um incremento de 17,7% em 2016.

De acordo com o levantamento, o seguro de vida no Brasil registra crescimento contínuo desde 2002, quando teve início a comercialização da modalidade VBGL (Vida Gerador de Benefícios Livres).

Esse produto de previdência complementar alcançou um volume de prêmios superior a US$ 30 bilhões em 2016, o que representa 45% do total de valores pagos ao segmento Vida do mercado latino-americano e 21% do mercado total de seguros da região.

“Com o aumento da expectativa de vida no país, os brasileiros têm começado a planejar e fazer investimentos pensando em complementar, no futuro, a previdência pública.

Nesse cenário, o seguro de vida privado é uma ótima oportunidade para garantir uma aposentadoria tranquila”, diz o CEO da Mapfre no Brasil e Representante da Fundación Mapfre, Wilson Toneto.

Já o segmento de “não vida”, que inclui seguros de carro e residencial, por exemplo, teve um decréscimo de 11,3% no volume prêmios em toda América Latina, devido à desvalorização de boa parte das moedas latino-americanas em 2016, incluindo o real.

Os 25 maiores grupos seguradores do setor Não Vida na América Latina acumularam 60% dos prêmios em 2016. O ranking continua a ser liderado pela Mapfre, com uma participação no mercado de 7,6% em 2016.
Saiba mais »

Seguro Bike.


Todo ciclista tem medo de perder sua bike em um assalto, por outro lado a oferta de seguros para bicicleta aumentou muito, mas as dúvidas ainda são grandes.

Algumas informações sobre seguro de bicicleta.

A maioria das seguradoras aceita bicicletas com valor acima de R$3.000,00, e é fácil entender porque, já que a franquia (valor pago pelo segurado em caso de sinistro) gira em torno de 10% do valor da bicicleta, ou um mínimo de R$800,00.

Para fazer o seguro de bicicletas de 3 a 5 mil é necessário ter a nota fiscal de compra, para bikes acima desse valor a nota fiscal não é exigida.

Na Billy Seguros você pode contratar o seguro pelo atendimento online, é necessário enviar fotos da bicicleta a ser segurada, o que funciona como uma vistoria online, fotos das laterais, grupo que equipa e número do quadro, nota fiscal, etc.

A indenização em caso de roubo, leva de 15 a 30 dias, é da mesma forma com os carros e motos, direito garantido pela SUSEP – Superintendência de Seguros Privados.

As seguradoras tentam localizar a bicicleta, buscam delegacias na região onde foi registrado o roubo através de B.O., usam seus contatos, fazem pesquisa e investigam a veracidade do que foi declarado pelo segurado, isso pode levar alguns dias.

O legal é que além da cobertura enquanto você pedala na rua, a bike está coberta se for subtraída de sua casa, ou se for levada do seu carro em uma viagem, e isto é válido em todo o território nacional.

Algumas seguradoras oferecem até seguros contra terceiros.

O seguro de bicicletas é um bom investimento para proteger sua companheira de trilhas e estradas, e como nas outras modalidades de seguro, é bom ter e não precisar usar.

Sinistro – Perda do bem segurado. B.O. – Boletim de ocorrência Policial (a seguradora irá exigir este documento, em caso de roubo, registre o fato em uma delegacia na região da ocorrência).
Saiba mais »